quinta-feira, 14 de agosto de 2008

BURRADA FESTIVAL: COICES DISTORCIDOS A PREÇO DE BANANA


Ingressos R$ 3,00 antes das 23:00 h e após R$ 4,00.
Esse anuncio do BURRADA FESTIVAL é ótimo para gente pensar sobre pechincha.
Com 3 ou 4 contos em um fim de semana a gente pode:
1 – Tomar uma cerveja e ir pra casa assistir a porcaria da TV.
2 – Comprar uma caixinha de camisinha com 3 unidades sabor morango (sobra uns centavinhos) e torcer para aquela menina tosca atender o celular e salvar a night.
3 – Comprar uma coca cola 2 litros e ficar morgado no sofá da sala arrotando que nem um porco até o tédio consumir a última dose de animo.
4 – Pagar uma ou duas horas no Cyber e navegar no pate papo da UOL até achar aquela catilanga que jura que é a menina dos sonhos.
5 – Comprar um litro de Ipioca limão (hummmm) e...ops, droga! Um litro de Ipioca limão é mais que 5 pila.
Você pode fazer tudo isso ou conferir um Festival de responsa com bandas de conceitos já elevados. Sim! Senhoras e Senhores! Com 3 ou 4 pila (dependendo da hora que você deixar sua gatinha em casa ou esperar seus pais dormirem) vós podereis conferir nada mais nada menos que:

MATA - BURRO
MEROS – BERROS
BODDAH DICIRO
CORELL
CRÍTICOS LOUCOS
ALBION

Relacionado a palavra BURRO da banda MATA – BURRO, o BURRADA FESTIVAL chega para completar a empreitada dos eventos que vêem alterando significativamente a concepção míope do rock no Tocantins. A relação da banda com o Festival é oriundo do fato de que os organizadores são membros da banda (Emerson vulgo Bento).
Eletrizados por tendencias diferentes, contudo saboreáveis, as bandas que se apresentarão são bandas de estrada, cujo potencial já foi forjado na fornalha dos conceito mais críticos e inquietantes. Neste caso, MATA - BURRO, BODDA DICIRO e CRÍTICO LOUCOS, sendo que, no caso das bandas MEROS – BERROS, CORELL e ALBION, pode – se falar em bandas novas, porém, com fulanos consagrados cuja capacidades de ostentar uma boa apresentação já foi provada em situações anteriores.

MEROS – BERROS

Já comentada na matéria: A RESSACA DO AGOSTO DE ROCK, neste blog, a banda é de Miracema, cujo guitarrista – Cássio Renato – flui de uma experiência invejável, tanto no tocante a fazer bandas, quanto no sentido de formar movimentos e organizar festivais.
A música da banda é boa. Flerta com o Alternativo, Punk e Grunge, sendo que, eles preferem definir seu estilo como ROCK DE GARAGEM. Suas letras são poesias marginais da melhor qualidade, sem cair na bosta da melosidade tipo “MINHA TERRA TEM PALMEIRA ONDE CANTA O SABIÁ”.
Quanto a capacidade de apresentações ao vivo, já ficou provado no Agosto de Rock que a banda tem tudo para construir o seu caminho.

CORELL

A banda CORELL toca HARDCORE de qualidade. Não é uma banda nova é uma banda que está retornando após um tempo em animação suspensa.
Se a banda se apresentar desta vez como nas vezes em que se apresentou anteriormente, então, TOME COICES DISTORCIDOS ENVENENADOS COM O MELHOR DO HC.
O vocal, unido a atitude de palco e a experiência de HUGÃO fazem do Corell uma banda perfeita para um Festival de nome BURRADA. (refiro-me a fúria do som)

ALBION

Pra quem gosta de mocinhos vestidos tipo “maurincinhos ingleses” que seguem as tendencias dos modismos do Indie, essa é a banda perfeita. Sem levar em conta a bossalidade que esse tipo de banda geralmente tem – sempre achando que são os “NOVOS BEATTLES” - a única que vez que os vi se apresentando foi no Tendencies Music. Na ocasião, tocaram Strokes (bem ensaiadinho) entre outras coisinhas do mesmo gênero do qual eu não me lembro mais.
Deixando de lado prepotências e egos, veja essa banda como o Edmundo ou Romário, em que é melhor olhar para o futebol deles, do que suas atitudes de brigões, ou seja, feche os olhos e deixe ser influenciado pela música, caso contrário, você pode trocar as bolas e achar que ser “metido” é ser mau músico.

E então? Ainda tem dúvida de como gastar seus quase cinco reais?

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.