terça-feira, 12 de agosto de 2008

A RESSACA DO AGOSTO DE ROCK: TAMANHO NÃO É DOCUMENTO!

Palcos gigantescos, iluminação no melhor estilo Pink Floyd e bandas de todos os circúitos participando. Essa é a máxima que se guarda ao pensar em festivais de rock, sobretudo, nas capitais onde se aglomeram bandas de todas as vertentes que vendem até a alma para participar. Lá embaixo do palco, público formado por críticos, seguidores de algumas bandas e curiosos. Na sua maioria roqueiros mesmo que procuram nos festivais uma fuga, um espaço para a catarse do cotidiano comum.
Palmas tem sido uma das capitais a somar festivais que começam a se identificar com os de grande porte: PMW e Tendencies Rock Festival, além dos de meio porte como o Tome e outros que começam a se manifestar como Burrada Fest Rock. Contudo, dois festivais de cidades do interior do Estado manifestaram nestes dois ultimos meses (Julho e Agosto de 2008) algo curioso: o vislumbre do público diante dos festivais de cidades pequenas em detrimento dos festivais de grande porte da capital.
Sem aquela de ir para um show para estudar as bandas, o público parece mesmo que se despoja de suas críticas em função de se divertir de fato. Também, ao ler nos orkuts as mensagens de agradecimento das bandas aos organizadores parece haver de fato uma transparencia de fato no tocante à satisfação.
Os dois festivais em apreço são JUNTA TRIBU FEST ROCK (Rio Sono) e AGOSTO DE ROCK (Miracema).
O que desperta a curiosidade é o que os festivais pequenos têm que os grandes não têm? Talvez seja a aproximação que o público tenha com as bandas que gera um respeito maior, ou quem sabe ao contrário, isto é, subordinados a condição de descerem do pedestal por um dia ou dois, algumas bandas colocam de lado o ego e a velha disputa de que "EU SOU O MELHOR!"
No Agosto de Rock, por exemplo, parecia haver liberdade total no sentido de tocar com a alma e a velha gana da garagens. Que maravilha! A VELHA GANA DAS GARAGENS, coisa que anda meio fúgida das bandas chamadas de garagem. De repente a chance de estar tão próximo das pessoas e ser submetido a um estado de simplicidade distante do que a maioria das bandas buscam hoje em dia, proporciona o clima perfeito para um show de rock.
Viva ao Junta Tribu! Viva ao Agosto de Rock! Viva as bandas que se comportaram tão bem como bandas de garagens, e, peço desculpa se de algum modo esse artigo feriu o ego de alguma dessas bandas por chamá-la de BANDA DE GARAGEM! Não se incomodem, é que essa é ainda a única definição adequada para as bandas que apostam no subjetivismo musical e criativo, pois, ao se afastar disso, só lhes resta a disputa e a peleja de preencher o mercado dos ambicionistas.
Cião!!!

Críticos Loucos: A melhor apresentação que já vi até hoje.
.
Bodda Diciro: Manteve o carisma de sempre com o público.
.
Nose Blend: Conhecidos pela inquietante atitude de seu vocalista, dessa vez parecia haver uma passividade no ar, talvez uma preocupação, contudo, menteve a sua identidade exêntrica.
.
Meros Berros: Sem comentários. Além de surpreender a todos é o tipo de banda que quanto mais coisa dá errada no palco, melhor fica a apresentação.
.
Territorial: Esta me deixou mais curioso. Quem sabe o fato de vê-los pela primeira vez, ou talvez por lembrar a velha HTTP, no tocante ao posicionamento musical.
Até certo momento me perguntava que som é esse, então, alguém falou ao meu lado: "É alternativo!" Então pensei comigo, sim é, de fato, no entanto, essas definições são muito pequenas, dai prefiro não definir essa banda, quem sabe o futuro dirá. Sobra elogios da minha parte. Uma banda séria que deixou claro a disposição de não se render tão fácil. Parabéns!
.
Stiff: Mais uma banda do interior que surpreendeu. Primeiro pelo baterista, "uma pulga arrastando um elefante", segundo pela segurança e firmeza no som. Nada mal para uma banda de primeira viagem.
.
Raphilles: É dificil comentar sobre banda que não tem trabalho autoral, pois, o que se pode dizer de uma banda cover é que é cover, ou as velhas expressões: "tá legal! Massa! Ficou bom!". Eu penso que, não obstante os meninos terem completado o show muito bem, ainda assim é hora de enveredar por trabalhos próprios, uma vez que é no trabalho autoral que virá sua identidade como banda.
.
Dose: Essa banda merece comentário. Primeiro pelo fato de ser uma banda de meninas - não desmerecendo, porém, reconhecendo que são poucas bandas com meninas no Estado. Segundo pela lição que deixaram para muitos marmanjos de como se faz um bom rock ´n ´roll.
A guitarrista tem uma pegada de guitarra maravilhosa e a proposta de música é ideal, maravilhoso!! Ops, maravilhosas!!
.
DonaRubina: A banda do DF não decepcionou mesmo. Olha que o desafio deste Agosto de Rock foi foda, pois, vir de Brasilia e fazer feio seria de fato vergonhoso, mas, no final das contas a banda DonaRubina foi muito boa. Muita gente comentou bem a respeito deles e seu som fechou com guitarra de ouro o Festival. Parabéns DonaRubina e Let´s gonna rock ´n ´rool!!!
.
Mata - Burro: Não há necessidade de comentários sobre a apresentação da banda Mata - Burro, tendo em vista que a banda já é conhecida por todos, tanto lá quanto cá, pela bela performance em palco.

5 comentários:

Emerson disse...

Só prq o Mata-Burro é conhecido não merece comtentários?

Bom, as apresentações são peculiáres a cada festival ou apresentação, por tanto, tendo suas diferenças não é prq uma banda é conhecida que ela vai tocar do mesmo jeito toda vez.

Eu quero meu comentário.

Anônimo disse...

hey, acho q vc vai gostar de conhecer www.tocadastribus.com

o ambiente eh soh colaborativo, vc pode fazer seu cadastro e enviar artigos (q passam por aprovacao) sobre o cenario tocantinense ;)

Daniel Canoli disse...

ops, esqueci de assinar o comentario anterior sobre o toca das tribus :P

Remo disse...

Olá.. parabens Rivas pelo texto (acredito que seja seu apesar de não ter assunado)...
Interessante enfatizar o que as pessoas não estão esperando e vc fez isso bem...
Continue que o TO precisa também de quem desce a lenha mano!!
Do not conformism!!!

jearlan_ac disse...

Pervesso! Quando eu penso que vc vai pescar, vc já vem com a caldeirada... Muito Bem!!!!

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.