segunda-feira, 11 de maio de 2009

FEIRA VIP DO LIVRO, NEM SÃO PEDRO TA CURTINDO

Segura a lona maluco, senão o mercadão para
Enquanto minha namorada fotografava os jorros torrenciais de água que caiam sobre o amontoado de livros chatos nos estandes de livrarias que só colocam na promoção livros desatualizados e que nada aumentam no processo construtivo do cidadão, o Gabriel e o Geuvar desenhavam os traunsentes que já enfadados se aproximavam de duas mesinhas que divulgavam o HQ A LIGA DO CERRADO.

No dia anterior eu havia passado por lá e vi um cara que eu particularmente acho interessante, apesar de o seu trabalho não ter impacto algum sobre minha observação, mas me chama a atenção sempre que estou em lugar de movimento como feiras e eventos e o tal oferecer seu livro de poesias. Ele conversava com uma funcionária em uma parte do Salão do Livro que expõe obras tocantinenses e de lado eu fisgava alguns pontos da conversa:

Mas o senhor esta cadastrado? Perguntava a funcionaria desajeitadas sobre saltos que não é acostumada usar e com aquela maquiagem horrível de mortiça de família Adans e estampando um sorriso ironicamente preconceituoso.
Mas eu já sou conhecido. Inclusive vendo bastantes livros de poesias na cidade, acrescentava o poeta.

O que vi ali foi uma total falta de marginalidade. Gente vestida de tal modo a desfilar e não a ir ver livro porra nenhuma. Alias, os que vi tirando dinheiro pra comprar livros você já sabe quais foram, né? – Código DaVinci, O segredo, O Apanhador de Pipas, A menina que roubava livros, Herry Potter, Quando Nietsche chorou e por ai vai esse monte de bosta.

A única graça que ta tendo naquilo tudo é a rampinha da entrada. Como está chovendo pra toda hora tem um que senta a bunda no chão, por que a rampa e lisa e quando molha fica parecendo gelo.

O bom mesmo é se eu já tivesse com a minha revista pronta, ai aquele povo ia ver o terror. Gente suja, drogada, pervertida e pobre na entrada oferecendo uma edição da REVISTA INTOLERANTE. Nossa! E se algum intelectual de FEIRÃO DE LIVRARIAS viesse argumentar algo, que fosse dialogar comigo, talvez eu convertesse ele com o evangelho da intolerância e de repente a gente teria até um movimento de revoltados.

Já pensou, o salão bombando lá dentro de idiotas e do lado de fora uma cúpula de escrotos artistas marginais que não serão reconhecidos nunca numa terrinha porra louca essa desenhando, tocando, encenando e tirando onda com as cenas ao redor? Isso sim seria arte pura e original.

Como eu ainda vou dar uma volta por lá esses dias, depois eu conto o resto da novela. A caixinha ficou cheia de água e os livros também.

Um comentário:

Rê disse...

talvez a chuva venha tentar lavar a sujeira escondida(não tão escondida) por baixo da MEGA e milhonária estrutura !!!
Ah, e conversando com uma liderança de uma das comunidades quilombolas que conheço percebi como o estado usa esses "grandes" eventos pra botar uma banca... a militante me dizia que recebeu o convite mas nao iria a esse salao do livro pois sentiu que das outras vezes o povo da comunidade foi usado, para posar para fotos junto às "autoridades"... e o que mais incomoda a militante é o descaso e a pouca assistencia do estado para com as comunidades (escolas caindo na cabeça dos alunos, livros desatualizados, pessimas condições de trabalho para os professores, falta de transporte escolar, falta de merenda e etc)... aí os belezinhas colocam os meninos da comunidade pra desfilar no "Salão Fashion Week",aparecer em fotos bunitinhas... sem se comprometer com seus reais deveres junto ao sistema educacional!

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.