segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

MIRAGEM - MIRACEMA SAI NA FRENTE NO FESTIVAL DE CURTA-METRAGEM

Natália, Vocalista cover do Chico Science e Káio
exibindo os troféus do MIRAGEM.

Enquanto a cidade dormia, na garagem de uma casa uma banda desconcertada formada por músicos e aspirantes do ramo, sacudia as estruturas do lugar com muito rock nacional e internacional, música popular, entre outras coisas permissíveis pelo momento.
O público sentava-se ao redor aproveitando o momento de catarse proporcionado pela situação.
Não, não era um show rock, um aniversário ou qualquer comemoração do gênero, era a reunião de algumas pessoas que tinham acabado de sair do III MIRAGEM, em Miracema do Tocantins.
Esse espírito manifesto após o termino da edição de sábado caracteriza o espírito geral que permeou o evento.

Com a apresentação de curtas-metragens de todo o país, inclusive do Tocantins, o festival pulsa sua vivacidade ao arrebanhar um bom número de pessoas, tanto de Palmas, quanto da própria cidade de Miracema.

Uma inovação bem pensada que une duas coisas que tem tudo a ver, o rock e o cinema, foi o FESTIVAL DE VIODEOCLIPES no FESTIVAL DE CINEMA, onde exibiu no primeiro dia clipes de todo o país.

No tocante aos filmes apresentados, cito em primeiro lugar as animações, que ao meu ver foram de boa qualidade, exceto a ZOOVIRUS que apesar de uma proposta de idéia bacana, deixou muito a desejar no quesito IMAGEM, dava pra ser melhor.
Já o ANÃO QUE VIROU GIGANTE e o ENGOLEDUASERVILHAS são perfeitos em tudo, imagem, roteiro e desenvolvimento. O curta de um minuto: TEM UM DRAGÃO NO MEU BAÚ, passa uma sintonia maravilhosa da realidade infantil, muito bom também.

Mas há três filmes principais das outras categorias que para mim foram os melhores: O VELHO, O MAR E O LAGO; TEMPO DE IRA e TRUQUES, XAROPES E OUTROS ARTIGOS DE CONFIANÇA.

Estes três filmes passam a seguintes lições para quem quer aprender a pegar numa câmera e se meter a fazer ainda que seja um curta-metragem:

O VELHO, O MAR E O LAGO.
Foi na hora que terminou o filme que apareceram o nome dos atores no filme que vim dar conta de uma coisa, “ué, só dois? O filme é tão completo que imaginei um monte de gente participando e deixei de perceber que de pessoas que aparecem foram apenas o VELHO e o MARINHEIRO, no final do filme”.

A imagem em preto e branco e um cenário em volta do farol, o mar, a cabana e o lago, ensinam que não é preciso ter tanta coisa para se fazer um grande curta, o mais importante é a genialidade de pensamento que junta o bom texto, com a boa apresentação e o bom desenvolvimento do filme. O filme tem conteúdo, é bom de se ouvir as falas, é bom de se ver as imagens e é bom de se apreciar de todas as formas.
Não digo que um filme destes, por apresentar simplicidade em sua construção, não exija grana e empenho de muita gente, sim, mas a lição que deixa é que muita gente usa demandas de mais para fazer um filme que não dá pra entender por que tanto empenho em uma coisa tão ruim.

O TEMPO DE IRA, mesmo tendo mais personagens, assemelha-se ao VELHO, O MAR E LAGO, na fotografia, na temática (solidão, abandono, saudade, medo) e sobretudo no roteiro maravilhoso.

Já, TRUQUES, XAROPES E OUTROS ARTIGOS DE CONFIANÇA, traz outra lição importante, quanto a produção de vídeos urbanos, é que:

“NÃO SE PRECISA DE MIL CAMERAS E UM MONTE DE EFEITOS ESPECIAIS PARA SE PRODUZIR UM BOM FILME QUE AGRADE, APENAS UMA BOA TRAMA ASSOCIADA AO TEXTO RESPONSÁVEL E BOA ATUAÇÃO DOS ATORES”.

Um cara andando em um calçadão com bichos de pelúcia embaixo do braço e passando por varias situações indesejáveis onde via no rosto de um homem só as várias faces da picaretagem, do charlatanismo, retratando o cotidiano de um ambulante desesperado para melhorar de vida, passava uma emoção, uma identificação do personagem com quem assistia. Mas, era mesmo na atuação dos dois atores, A VIVA EXPRESSÃO DE ANGUSTIA DO VENDEDOR AMBULANTE e o FORTE PODE DE PERSUAÇÃO EXPRESSO NO ROSTO DO PICARETA DE VÁRIAS FACES que ficou demonstrado o bom desempenho do filme.
É simples na montagem. Como uma câmera seguindo um cara em algumas andanças e nada mais. É isso que é um bom filme, UMA IDÉIA BEM FIXADA NO MURO DA IMAGINAÇÃO DE QUEM ASSISTE!

Quanto a produção tocantinense, é lamentável o baixo nível de criatividade, não digo imagem, filmagem entre outras coisas que os compõe, digo ESCRITA mesmo. Pelo amor de Deus, será possível que ninguém lê mais porra nenhuma, ou será que é falta de tempo para pensar? O que é aquilo de ENFINS SÓS? Promoção à imagem da PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS? Só pode, por que não ouve exploração de nada que diga respeito a cinema. E sabem o que lembra? Lembra uma cobertura jornalística de um jornal local a algum programa do tipo PREFEITURA NOS BAIRROS. O pior é a falsa tentativa de emocionalismo, UMA CAMERA QUE ENTRA NA PUPILA DO OLHO DO CIDADÃO QUE CONVERSA PARA VER SE ESTÁ SE FORMANDO UMA LÁGRIMA. Que isso. Não sei quem fez essa aberração e não quero sazer. Eu sei que gastar tempo e usar a imagem das pessoas no que quiser é problema do cara que faz, mas vender como documentário ou curta-metragem, sei lá o que era aquilo, é foda!
Quanto aos outros filmes, crônicas urbanas mal contadas, desenvolvimentos e cortes imaturos e emoções vagas, sem verdade, sem pureza de conteúdo.

Salvo o filme o PALHAÇO, que tinha lá no papel de votação GO/TO. O filme é bom de verdade. Os textos são maduros, principalmente na fala do velho que diz ao aspirante a vaga de palhaço sem saber, “LIMPA ESSA CARA PALHAÇO!”. Uma frase bem colocada, no tempo certo, expressa pela pessoa certa. Um filme muito bom. Se tiver Tocantins por ali, que mereça o devido respeito.

Quanto ao resto, ainda bem que não vi o LONGA METRAGEM, por que pelo trailer, paizinho do céu, socorra-nos!
Não é que o Estado por ser novo que se tenha que jogar merda no ventilador. Quando eu digo que não vi nada demais nos demais filmes feitos aqui, estou dizendo que não vi HISTÓRIA, fotografia, alguns bons atores, pode até ter, mas que adianta tudo isso: empenho, suor, gastos e blá, blá blá, se não há uma boa história? Que pena!

Mas quanto ao festival Miragem, parabéns! Melhor, mil vezes do que o SEU CHICO. E mais uma vez Miracema sai na frente pelas mãos deste grande arquiteto do impossível CÁSSIO RENATO SIQUEIRA.

Nenhum comentário:

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.