quinta-feira, 13 de novembro de 2008

ARTE MARGINAL. FOTOGRAFIA E POESIA

Hemerson Silva. O fotógrafo visto por sua própria lente

Só quando transgrido alguma ordem o futuro se torna respirável

Se cada hora vem com sua morte

Se o tempo é um covil de ladrões

Os ares já não são tão bons ares

E a vida é nada mais que um alvo móvel

Você perguntará por que cantamos

E nossos bravos ficam sem abraço

A pátria está morrendo de tristeza

E o coração do homem se fez cacos


Antes mesmo de explodir a vergonha

Você perguntará por que cantamos

Se estamos longe como um horizonte
Se lá ficaram as árvores e céu

Se cada noite é sempre alguma ausência

E cada despertar um desencontro

Você perguntará por que cantamos


Cantamos porque o rio esta soando

E quando soa o rio / soa o rio

Cantamos porque o cruel não tem nome

Embora tenha nome seu destino

Cantamos pela infância e porque tudo

E porque algum futuro e porque o povo


Cantamos porque os sobreviventes

E nossos mortos querem que cantemos
Cantamos porque o grito só não basta

E já não basta o pranto nem a raiva

Cantamos porque cremos nessa gente

E porque venceremos a derrota

Cantamos porque o sol nos reconhece

E porque o campo cheira a primavera

E porque nesse talo e lá no fruto

Cada pergunta tem a sua resposta

Cantamos porque chove sobre o sulco
E somos militantes desta vida
E porque não podemos nem queremos

Deixar que a canção se torne cinzas.

Antologia Poética – Mário Benedetti

* (A Renata, parceira no blog, me mostrou um poema que seu irmão colocou pra ela no Orkut, dai, achei da hora colocar aqui. Muito massa.)

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.