segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

SEM DIZER ADEUS: EM MEMÓRIA

Deixai toda esperança, ó vós que entrais.

A Divina Comédia: Inferno, Canto III, 9
A selva escura - As feras - O espírito de Virgílio

Quando eu me encontrava na metade do caminho de nossa vida, me vi perdido em uma selva escura, e a minha vida não mais seguia o caminho certo. Ah, como é difícil descrevê-la! Aquela selva era tão selvagem, cruel, amarga, que a sua simples lembrança me traz de volta o medo. Creio que nem mesmo a morte poderia ser tão terrível. Mas, para que eu possa falar do bem que dali resultou, terei antes que falar de outras coisas, que do bem, passam longe.


Eu não sei como fui parar naquele lugar sombrio. Sonolento como eu estava, devo ter cochilado e por isso me afastei da via verdadeira. Mas, ao chegar ao pé de um monte onde começava a selva que se estendia vale abaixo, olhei para cima e vi aquela ladeira coberta com os primeiros raios do sol. A cena trouxe luz à minha vida, afastou de vez o medo e me deu novas esperanças. Decidi então subir aquele monte. Olhei para trás uma última vez, para aquela selva que nunca deixara uma alma viva escapar, descansei um pouco, e depois, iniciei a escalada.

Enquanto o governo se importa com os grandes eventos, investimentos e relações internacionais, nossos jovens ficam a mercê da própria sorte. Poucos são os investimentos que livram os meninos pobres da saga de enveredarem pela crimilidade.

A vida se tornou barata. O preço pode ser um cigarro, uma dose de pinga, um carro, uma bicicleta ou uma mulher. Deus, quem nos livrará.

Vícios desordenados propostos pela TV. Ambições, e consumismo diferenciando uns dos outros. E, é assim, enquanto nos felicitamos por entrar em concursos públicos, assumir cadeiras nas universidades, outros não experimentam a mesma sorte. Nunca tiveram nem mesmo a oportunidade de galgar algo que se possa orgulhar, e então, o menino que brincava de jogar bola na rua, agora empunha ferramentas de assassinato para tomar posse de algumas coisas que os outros tem e ele não.

Covardia. Por que tem que ser assim? Por que os bons tem que morrer tão jovens enquanto os perversos enriquecem as custa de miséria alheia?

Como uma cidade do interior, pequena, onde todos se conhecem, pode somar uma numero tão grande de jovens viciados em pedras de crack e delinqüentes? Como o filho da dona Ana de uma hora para outra perde o respeito por todos aqueles que dividem a mesma cidade, que são chamados vizinhos, conterrâneos e investe para cima com ira e o terror vindo do inferno?

Enquanto isso os que falam de esperança como pastores e padres trocam de carros e dilatam seus buchos vendendo o paraíso e se esquecendo que o inferno já está por aqui.

E as bandas de rock? E os movimentos alternativos? E os idealistas? Todos se fartando de egos inchados, correndo atrás de publicidades e fama.

Brutalmente assassinado, dentro da própria casa, pelas mãos de jovens ladrões que não sabem diferenciar o valor de uma vida de alguns meros objetos, foi o tão jovem Cláudio Bosaipo da cidade de Miracema do Tocantins na madrugada de segunda-feira de janeiro de 2009.

Os bandidos foram encontrados próximo do local do crime na praça Derocy Morais, agora vejam com o que, segundo a policia militar: 01 celular, 01 carregador para celular, 04 camisetas, 01 canivete e uma touca, tipo capuz, faz sentido?

O MOVIMENTO FAÇA VOCÊ MESMO, que está envolvido em várias ações filantrópicas e de reação na cidade, fez uma passeata se manifestando contra as atrocidades que acometeram a vida do jovem rapaz.

Siga por entre as árvores do bosque sombrio e não tema passar no pavor das trevas na caminhada. Veja, não deixe que as lastimas da outra vida lhe consuma, por aqui, o mal já foi forte demais. Veja sim a luz que brilha no topo da colina, é para lá que os seus passos serão guiados pelo espírito da caridade. Siga em paz!

Nenhum comentário:

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.