quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS PARA ESTE NATAL


UMA HOMENAGEM AOS 60 ANOS DE INUTILIDADE DA D.U.D.H


A velha declaração caduca, mas não perde a posse.

Hoje fui descobrir por que a bosta da Declaração dos Direitos Humanos não funciona. Por que a bicha ficou velha. Caducou. Está com Alzheimer. Não lembra sua função. Esqueceu por que existe e está aposentada com um misero salário, jogada em um asilo imundo junto com as outras Leis que juntamente caducaram.
Antes disso, conta-se que vivia a doses fortíssimas de Prozac. Recebeu tratamento de eletro-choque e a qualquer sinal de ação, era colocada na camisa de força, entorpecida e emudecida pelos poderes fedorentos que já estavam cansados das chatices que ela provocava.
Mas para este Natal fiz uma leitura social de como podemos utilizar a velhinha para nossos fins de alívios mentais, para ninguém dizer que ela ficou velha e sem utilidade. Mas vamos utilizar apenas os pontos necessários às nossas vaidades, deixemos os outros artigos pra lá, por que ai já é querer demais né?

Artigo I
Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras COM ESPÍRITO DE FRATERNIDADE.

Ou seja, comam o peru mais caro banhado com cabernet e sauvignon importado, mas não deixe de dar a esmola para algum mendigo para que a consciência não lhe consuma de terrores purgatoriais.
Artigo II
Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

Isto é, na hora do culto natalino ou na missa do galo não vamos falar dos irmãos protestantes e católicos em nossas reuniões. Jamais proferir nenhuma ofensa aos gays e lésbicas, deixemos isso para a rotina do próximo ano.

Artigo III
Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Quer dizer que a policia neste natal não vai atirar primeiro e perguntar depois, vai perguntar primeiro e atirar assim mesmo independente da resposta. Que a policia vai nos assegurar em troca de um bom suborno, para proteger nossas lojas dos trombadinhas que roubam Paes nas padarias do seu Miguel para fazer o natal com seu irmãozinho no beco ali do lado.

Artigo IV
Ninguém será mantido em escravidão ou servidão, a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

Ou seja, a rede Globo neste natal não vai passar nenhum programa que leve a consciência da pessoa ao encarceramento do senso comum. Os burgueses de alta classe não vão vender as meninas nas praias para os turistas que vem de fora neste natal, eles vão negociar com os ricos daqui mesmo do Brasil. Os empregados vão sair mais cedo, não precisam ficar estocando na madrugada, nem fazendo balanço enquanto todos comemoram o nascimento do Salvador.

Artigo V
Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

É verdade! A policia não vai encostar o negro suspeito no carro abrindo suas pernas com o cacetete. Também não vai jogar no canto da cela e bater nele ate confessar um crime que não cometeu. Nem ameaçar sua família, ou por fim, matá-lo e jogar o seu corpo em algum lago ou terreno baldio, não neste natal isto não será possível.

Artigo VI
Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei.

Sim, nas festas de Natal todos iremos a chácara do governador participar da ceia. Ou porque não tomar um bom champagne junto com o prefeito e sua trupe? Não, os seguranças não irão parar os mal vestidos nas festas galantes de fim de ano. Jamais os atendentes de lojas caras e garçons de restaurantes finos deixarão de atender os menos impressionáveis.

Nenhum comentário:

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.