sexta-feira, 31 de outubro de 2008

CAPA: PARA O INFERNO COM O VOSSO ATENDIMENTO

Se há um assunto em comum entre todas as pessoas que moram em Palmas é a respeito do mau atendimento. Os que moram a mais tempo aqui já estão acostumados, os que chegam, vão se adaptando com certo escândalo.

Não são os bares, as lanchonetes, oficinas, lojas e comercio em geral, é tudo mesmo. Se nas Secretarias o descaso com as pessoas é grande, como todo mundo já sabe, no comércio, que deveria ser diferente, o atendimento chega a ser gritante.

Vou citar apenas três situações de caráter pessoal para exemplificar o resto:

Oficinas de moto

Vamos começar por aqui. As oficinas de moto desta cidade são uma desgraça. Não digo todas por que não deu pra conhecer, graças a Deus, mas por experiência própria e ouvindo outras pessoas, todos concordam que a maioria não presta.

Quando alguém leva a moto para fazer uma revisão ela sai até limpinha, toda macia, mas, é com o passar dos dias que o coitado vai percebendo que alguma coisa está errada, senão no outro dia mesmo.

Eu não sei se estes malditos trocam peças novas por velhas, ou se de repente nem trocam só tiram mesmo. Alguma coisa fazem. E dá certo, por que o individuo vai ficando viciado em oficina. Toda vez que vai, se torna mais dependente ainda. E tem outra coisa, geralmente o dono ou responsável já anda desconfiado quando o cidadão quer discutir o problema. Eles sempre têm uma boa resposta:

“bom senhor, é porque a biboca da parafuseta que liga a vela na ciriguela da berinjela, que por sua vez gira a pequena manivela que funciona a pinguela, precisava de reparos, de modo que tivemos que trocar a pinguela que depende da manivela, que depende da berinjela, que só funciona se trocar o kit da ciriguela com a vela que é o que faz funcionar a biboca da parafuseta”

A pobre vitima geralmente atordoado pela explicação só consegue perguntar, e quanto fica? E segue a procissão!

Cartões de Crédito

Caraca, esse lance também é foda! Imagina que você só tenha em seu cartão de crédito nove reais. Lá pelas madrugadas passa numa loja de conveniência pra comer ou tomar alguma coisa, e na hora de pagar a pessoa do caixa diz: “só passamos acima de dez reais”. E você diz, mas... mas... mas... e o cara insiste, não adianta só acima de dez reais. Não importa o seu cartão, se a loja se recusa, eles não passam. Se a Lei diz que onde tiver bandeira do cartão tem que passar, eles não tão nem ai.
Em algumas, para a coisa ficar mais feia, colocam até um aviso: “cartão de crédito só acima de dez reais”.
Que absurdo!

Garçons

Agora fedeu. Como a maioria dos garçons desses barzinhos de calçadas anda tudo estressados e com vontade de colocar fogo na cabeça de todo mundo, qualquer pequeno mal entendido os caras já descem a casa a baixo mesmo. Alias, nem precisa de mal entendido, a natureza de um bocado já é atender pessimamente mesmo.

Um dia desses fui num quiosque com duas amigas, uma delas pediu ao garçom o cardápio, o cara entrega, e quando a menina vira a primeira pagina, o cara já estava com a mão estendida pedindo o menu e perguntando se ela já havia feito o pedido. Ela disse: “ainda não, estou conferindo ainda”, o merda do garçom quase tomou a porra do cardápio e ela só entregou e disse: pode levar, e o cara levou mesmo.

Mas são varias coisas: pedidos trocados, respostas grossas, descaso, tiração de onda, demora, demora, demora.

Mas a culpa não é sempre dos garçons, na maioria das vezes o avarento do dono do estabelecimento, para ganhar mais dinheiro, sobrecarrega os caras com fardos para dez jumentos carregar. Daí, eles vão ficando loucos, perdidos e sem paciência.

Porque ser INTOLERANTE?

Agora de quem é a culpa desse maldito comercio se fortalecer tão vulgarmente? Dos Intolerantes! Cadê, onde estão eles? Na maioria das vezes a gente só discorda, fala baixinho ou sai com o prejuízo na moral e no bolso.

Se o filho da puta não passa abaixo de dez reais no cartão, então o Intolerante deve fazer alguma coisa. Liga no direito do consumidor na hora, deixa de comprar no lugar, mesmo quando tiver grana, dentre outras coisas que pode fazer, menos quebrar tudo viu! Bom se quiser quebrar e me mandar a foto eu publico aqui, seria maravilhoso.

Quando você for mal atendido, não pense que é um idiota, que só acontece com você por que é pacifico, acontece com todo mundo aqui nesta cidade. Mas agora que você já sabe que tem uma legião de Intolerantes com você, é hora de se posicionar, dizer não, que não quer assim, que não concorda.

É preciso discutir essas coisas, já pensou que um gerente ou responsável por um estabelecimento tenha que ouvir à todo instante acusações, desgostos e desafetos com o seu estabelecimento? Ou ele fecha ou muda a pocilga.

Quando mudaram a linha dos ônibus na cidade, o povo ficava tudo reclamando, xingando e mal dizendo a gestão, mas não vi nenhuma dessas paradas de ônibus quebrada, pinchada ou cagada. Todo mundo reclamava, mas as paradas continuavam limpinhas.

Bom, se as mudanças foram boas ou ruins não cabe a mim, mas se o povo está inconformado, já devia saber que só com bla, bla, bla, não se resolve. É preciso gerar prejuízos pra esses miseráveis, ai sim, quando virem que não vai sobrar muito pra gastar com suas putas, então eles vão pensar duas vezes antes de instigar uma população Intolerante.

Se quiserem citar no comentário abaixo situações, lugares e exemplos de maus atendimentos façam isso. Vamos criar uma lista de lugares que precisam melhorar em Palmito City. Se eles não mudarem, pelo menos poderemos chegar ao lugar e já saber como ele é.

Nenhum comentário:

Seguidores

Revista Palmito City

Minha foto

Revista Intolerante é um blog tocantinenses que trata de cultura e ponto de vista. Sempre abrangendo os trabalhos de artistas marginais e emitindo ponto de vista de vários aspectos sociais.